Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

Feito por: Beatriz Lima n4Gabrielly Carvalho n1310B

LÍrica camoniana

Apreciação global do autor

Estrutura externa do poema

Medida velha Vs Medida nova

09

Estrutura interna do poema

08

07

10

Poema:"Um mover d`olhos, brando e piedoso"

06

Estrutura interna do poema

05

01

Biografia de Camões

02

Os poemas mais famosos de Camões

03

Poema: "Descalça vai para a fonte"

04

Estrutura externa do poema

A sua produção poética lírica constitui uma admirável síntese artística da lírica tradicional portuguesa, das grandes correntes literárias e linhas de força ideológicas do seu tempo (Petrarquismo,Neoplatonismo,...) e da influência clássica (Virgílio, Teócrito, Horácio,...) .

Estima-se que o nascimento de Camões tenha ocorrido algures na primeira metade do século XVI, no ano de 1524, com a sua morte a proporcionar-se a 10 de junho de 1580, data em que se celebra o feriado nacional, o Dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas.

Ele é o maior representante do Classicismo Português. Autor do poema épico “Os Lusíadas”, Camões revelou grande sensibilidade para escrever sobre os dramas humanos, sejam amorosos ou existenciais.

Pouco sabe-se ao certo sobre sua vida, tendo nascido em Lisboa de uma família de pequena nobreza e recebido sólida educação nos moldes clássicos.

Poeta nacional de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura lusófona e um dos grandes poetas da literatura ocidental.

Biografia de Camões

Quem foi Luíz Vaz de Camões? (1524-1580)

1824

1598

"AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER"

"ESPARSA AO DESCONCERTO DO MUNDO"

"BUSQUE AMOR NOVAS ARTES, NOVO ENGENHO"

os Poemas mais famosos de camões

"DESCALÇA VAI PARA A FONTE"

Medida nova: Corrente renascentista: poemas de inspiração italiana, sobretudo dos escritores Dante e Petrarca. Decassílabo ( verso que possui 10 sílabas métricas) ex: Soneto, écloga, canção, elegia,..

Medida velha: Corrente tradicional: poemas de inspiração peninsular, sobretudo inspirados na poesia dos cancioneiros. Redondilha menor (verso com 5 sílabas métricas) e redondilha maior (verso com 7 sílabas métricas). ex: Vilancete, esparsa, trova, cantiga.

Medida velha VS Medida nova

luís de Camões, pp.55-56. Lís Camões, Rimas texto estabelecido e prefaciado por Álvaro J. Costa Pimpão, Coimbra, Almedina, 1994

Voltas: Leva na cabeça o pote,o testo nas mãos de prata,cinta de fina escarlata,saínho de chamelote; traz a vasquinha de cote, mais branca que a neve pura; vai fermosa e não segura. Descobre a touca a garganta, Cabelos d` ouro trançado, fita de cor de encarnado, tão linda que o mundo espanta;chove nela graça tantaque dá graça à fermosura; vai fermosa, e não segura.

Mote: Descalça vai para a fonte Lianor pela verdura; Vai fermosa, e não segura.

Descalça vai para a fonte

Aqui está um poema de Camões escrito na medida velha.Vilancete: Composto a partir de um mote curto (terceto) tradicional. Glosas: Duas oitavas constituídas por uma quadra e uma cauda de três versos. O último verso da quadra rima com o primeiro da cauda, fazendo a ligação entre ambas. Os dois últimos versos da cauda rimam com os dois últimos do mote. O poema “Descalça vai para a fonte” é constituído por um terceto e por duas redondilhas maiores (sete), num total de dezassete versos. Os versos são octossilábicos, e apresentam o seguinte esquema rimático ABB ACCAABB EDDEEBB. A rima é pobre nas duas primeiras estrofes e rica na última. A rima é feminina e consoante em todas as estrofes.

ESTRUTURA EXTERNA DO POEMA

Caracterização de Lianor:

Este poema celebra a beleza e fragilidade de Lianor, destacando sua formosura e os perigos que ela enfrenta. Este vilancete descreve Leonor como esta se veste – que “descalça vai para a fonte”, “leva na cabeça o pote” e “o testo nas mão de prata”, vestida com uma “cinta de fina escarlata”, com uma “sainho de chamalote” e de “vasquinha de cote” - e evidencia a sua beleza – indica que Leonor é “formosa”, “mais branca que a neve pura”, “tão linda que o mundo espanta” e “cabelos de ouro o trançado”.

Retrato físico: Descrição de Lianor como descalça, com mãos brancas (“de prata”), cabelos dourados e beleza formosa. Cor que a define: Policromia - prata, “escarlata” (vermelha), branca, ouro encarnado pois Lianor suscita alegria, pureza e perfeição. Retrato psicológico: Lianor é insegura e graciosa. Recursos expressivos: -Metáfora: “Mãos de prata”, “Cabelos d’ouro”, “Chove nela graça tanta”. -Adjetivação: “Fermosa”, “segura”, “branca”, “pura”, “linda”. -Hipérbole: “Mais branca que a neve pura”, “Tão linda que o mundo espanta”, “Chove nela graça tanta/Que dá graça à formosura”. -Personificação: “Tão linda que o mundo espanta”.

Significado do verso “Vai fermosa e não segura”: Por ser formosa, Lianor pode ser assaltada pelo amor. Quanto mais formosa, mais exposta está aos perigos do amor.

Cenário: A fonte (que tem muita importância).

Tema: Exaltação da beleza de Lianor.

Estrutura Interna do poema

Nos olhos tem, e na alma, e no rosto; Isto, Senhora, eu vi em vós, e visto Me foi por vos servir de muito gosto.

Um encolher de ombros, brando e honesto, Um suspirar, um doce e humilde acento, Uma fermosura, que o coração contento

Um doce e humilde, e honesto, e gracioso Falar, com que a alma facilmente Se persuade a si mesma, que não sente O mal, que nela causa o ser ditoso;

Um mover d'olhos, brando e piedoso, Sem ver de quê, ou como, mata a gente; Um riso, que no peito nos consente Não sei que um doce e honesto desejoso;

Um mover d`olhos, brando e piedoso

Este soneto é um exemplo da poesia lírica de Camões, caracterizada pela medida nova.

O poema é um soneto, uma forma poética composta por 14 versos. Os versos são decassílabos, ou seja, cada verso tem 10 sílabas métricas. O soneto está dividido em duas partes: -dois quartetos- em que é apresentado o “problema” (os primeiros 8 versos) -dois tercetos- em que é aprentado a“solução” ou “volta” (os últimos 6 versos).

Estutura externa do poema

O tema do soneto é o amor e a admiração do eu-lírico pela amada. O poema é repleto de antíteses (contradições), uma característica comum nos sonetos de Camões. Por exemplo, o olhar da amada “mata a gente” mas também provoca um “doce e honesto desejoso”. A linguagem é culta e rica em figuras de linguagem, como a metáfora e a antítese. Nesse poema, o amor é visto como uma contradição, associado a temas como vida e morte, água e fogo.

Estrutura interna do poema

Nós gostamos bastante da sua forma de expressar emoções complexas através de simples palavras, por isso é que as suas obras continuam a inspirar jovens até ao dia de hoje.Bastante comovente a sua maneira de abordar temas universais, como amor e o heroísmo. E isto permite-nos conectar não só com as suas palavras, mas também com o homem por trás delas.Camões é sem dúvida, e sempre será, uma figura literária inesquecível tanto para a literatura portuguesa como mundial.

Na nossa opnião Luíz Vaz de Camões é uma figura literária bastante fascinante.

Apreciação global do estudo do autor

https://www.bing.com/search?pglt=41&q=um+mover+de+olhos+brando+e+piedosso&cvid=28b33f15da804353a93331325136419a&gs_lcrp=EgZjaHJvbWUyBggAEEUYOTIGCAEQABhAMgYIAhAAGEAyBggDEAAYQDIGCAQQABhAMgYIBRAAGEAyBggGEAAYQDIGCAcQABhAMgYICBAAGEDSAQg2Mjk4ajBqMagCALACAA&FORM=ANNTA1&DAF0=1&PC=LCTS&ntref=1

https://pt.wikisource.org/wiki/Descal%C3%A7a_vai_para_a_fonte

https://www.ebiografia.com/luis_camoes/ citador.pt/poemas/portugal-tao-diferente-de-seu-ser-primeiro-luis-vaz-de-camoes blog do Tiago: Analise do poema de Camões (blogdeportuguesdotiago.blogspot.com) Um soneto de Camões - Estrolabio (sapo.pt)

Bibliografia

Esperamos que tenham gostado...

Fim!

Os bons vi sempre passar No Mundo graves tormentos; E pera mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mau, mas fui castigado. Assim que, só pera mim, Anda o Mundo concertado.

Esparsa ao desconcerto do mundo

Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor

Amor é fogo que arde sem se ver

Mote: Descalça vai para a fonte Lianor pela verdura; Vai fermosa, e não segura. Voltas: Leva na cabeça o pote, O testo nas mãos de prata, Cinta de fina escarlata, Sainho de chamelote; Traz a vasquinha de cote, Mais branca que a neve pura. Vai fermosa e não segura. Descobre a touca a garganta, Cabelos de ouro entrançado Fita de cor de encarnado, Tão linda que o mundo espanta. Chove nela graça tanta, Que dá graça à fermosura. Vai fermosa e não segura.

Descalça vai para a fonte

Busque Amor novas artes, novo engenho, Para matar-me, e novas esquivanças; Que não pode tirar-me as esperanças, Que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, Andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto Onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n’alma me tem posto Um não sei quê, que nasce não sei onde, Vem não sei como, e dói não sei por quê.

Busque Amor novas artes, novo engenho