Want to make creations as awesome as this one?

More creations to inspire you

SITTING BULL

Horizontal infographics

RUGBY WORLD CUP 2019

Horizontal infographics

GRETA THUNBERG

Horizontal infographics

FIRE FIGHTER

Horizontal infographics

VIOLA DAVIS

Horizontal infographics

LOGOS

Horizontal infographics

Transcript

Soneto da Separação

in Elis e Tom (1974) composto por Vinícius de Moraes e Tom Jobim e interpretado por Tom Jobim e Elis Regina

Vinícius de Moraes

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente. Vinicius de Moraes, in 'O Operário em Construção'

Soneto da Separação

Oceano Atlântico, a bordo do Highland Patriot, a caminho da Inglaterra, setembro de 1938

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente.

Soneto da separação

interpretado por Tom Jobim e Elis Regina

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente. Vinicius de Moraes, in 'O Operário em Construção'

Soneto da Separação

De/ re/pen/te/ do/ ri/so/ fez/-se o/ pran/(to)silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente.

-» Rima interpolada, emparelhada e cruzada

ABBACDCDEFEFFE

SOBRE POESIA

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente. Vinicius de Moraes, in 'O Operário em Construção'

Soneto da Separação

DE REPENTE do riso fêz-se o pranto silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fêz-se o pressentimento E do momento imóvel fêz-se o drama. De repente, não mais que de repente Fêz-se de triste o que se fêz amante E de sozinho o que se fêz contente. Fêz-se do amigo próximo o distante Fêz-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente.