Want to make creations as awesome as this one?

More creations to inspire you

Transcript

Start

Sessões de Filosofia para Crianças nas escolas de Ensino Básico do Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento

O Crocodilo que não tinha amigos

O projeto

Ilustrações EB Zona Verde

Agradecimentos

Ilustrações EB Bonito

Ilustrações EB António Gedeão

Problematização

A História

Este trabalho é o resultado de um projeto iniciado pela turma do 3º ano de Técnico de Apoio Psicossocial, ao abrigo do Módulo 6 de Psicologia “Da Diferença dos Comportamentos à Diferenciação na Intervenção”, e orientado pelo professor Tiago Marques. Foi dada continuidade ao projeto a partir da elaboração e dinamização de um conjunto de sessões de Filosofia para Crianças e jovens. Estas sessões ocorreram sob a orientação da professora Cláudia Gonçalves da disciplina de Psicologia e integrado no módulo 7 “Construção do Futuro e Gestão da Carreira”. O público-alvo destas sessões foram as turmas do 3º ano de escolaridade do agrupamento de escolas cidade do Entroncamento do qual se refletem estes mesmos trabalhos.

O Projeto

A História que serve de pano de fundo é da autoria da turma do 3º ano de Técnico de Apoio Psicossocial. A edição foi da responsabilidade da professora Cláudia Gonçalves e as ilustrações da autoria de Maria Leonor Aires, uma criança de 7 anos de idade, filha da professora Cláudia Gonçalves

O Crocodilo que não tinha amigos

Era uma vez, um pequeno crocodilo chamado Hary. Hary era conhecido pelo seu aspeto aterrador. De tamanho exagerado para a idade, uma voz forte e esganiçada e uns dentes tortos e pontiagudos, a todos metia medo. Por esse motivo, Hary era tomado como uma monstruosidade e dava por si sempre sozinho.

No original

- Todos os animais do pântano têm amigos, só eu é que não tenho ninguém com quem falar e conversar, porquê? O que terei eu de errado para que ninguém goste de mim? Qual é a razão pela qual todos se afastam de mim? Será que é pelo meu aspeto? Como poderá ser por outro motivo se nem sequer me conhecem?

Essas questões inquietavam-no, no entanto, obstinado como era, resolveu não se dar por vencido e ir à luta pela procura de amigos. A 1ª tentativa foi com o peixinho Red que nem deu tempo a Hary de proferir uma única palavra. Assim que o peixinho viu a suaenorme boca e os seus dentes gigantes e pontiagudos,fugiu a toda a velocidade que pôde de tão assustado que estava.

No original

O crocodilo Hary sentiu-se miserável, todavia nem assim desistiu do seu projeto. Certo dia, pairava próximo de si uma das várias aves, Asinhas, que frequentam os pântanos. O crocodilo Hary ficou encantado com a sua elegância e leveza e decidiu que era uma boa oportunidade para tentar arranjar uma amiga. Então, enchendo o peito de ar de viva esperança, lançou para Asinhas um sorridente “Olá!”. Qual não foi o seu espanto e entusiasmo quando do outro lado obteve uma retribuição a esse cumprimento.

No original

Posto isso, Hary ganhou ânimo e resolveu mostrar os seus dotes de cantor, entoando uma pequena canção:- Quem quer, quem quer ser amigo do Hary é muito grande, mas é muito mimimi! Só que a sua voz estridente e desafinada não provocou em Asinhas o efeito desejado e esta começou a rir às gargalhadas, antes mesmo de Hary chegar à parte do refrão. - Meu Deus! AhAhAhAhAh, que voz aterrorizante! E logo de seguida, Asinhas voou o mais depressa que pôde dali.

Hary ficou mais uma vez triste e desapontado. Como poderia ser tão difícil arranjar amigos. Alguns dias mais tarde, apareceu no pântano um animal novo, um papagaio-campeiro que se chamava Jeremias. Era um pássaro muito bonito coberto de penas verdes, com exceção de algumas amarelas, que tinha no cimo da cabeça e junto à asa esquerda. Era um pequeno pássaro muito falador, mas também muito arrogante e oportunista.

No original

Hary finalmente sentia-se feliz. Partilhava com Jeremias muitas das suas aventuras, mas também a sua comida e tudo parecia finalmente sorrir na vida do crocodilo. Contudo, mais tarde, o papagaio acabou por confessar o seu verdadeiro propósito: devido à sua arrogância tinha sido expulso do seu grupo e aproximou-se de Hary com o propósito de obter comida.

O crocodilo ficou devastado. O único animal que parecia finalmente não se importar com o seu aspeto era afinal um egoísta, só preocupado consigo próprio e com a satisfação das suas necessidades. Depois deste acontecimento, Hary desistiu de tentar fazer amigos. Tinha de aceitar que vivia só e que assim iria continuar.

No original

Um dia, no entanto, acordando com mais ânimo do que é costume, saiu da sua toca de óculos de sol no focinho, toalha no braço e creme para o corpo e foi tomar banhos de sol junto ao pântano.

Estava no início da sua bela sesta, quando se surpreendeu com um “Qrack” estridente. Ao fim de alguma procura lá descobriu que o som vinha de um animalzinho verde que estava no meio dos juncos. Era uma rã bebé. Com bondade e preocupação, mas a medo de assustá-la, Hary meteu conversa com a mesma:- Olá, sou o Hary e tu, como te chamas? - disse gaguejando Hary.

No original

- Olá, muito prazer, sou a Saltinhos. Porque é que um crocodilo do teu tamanho está a gaguejar para uma rã tão pequenina? - Oh! Eu tinha medo de te assustar. Já tentei outras vezes fazer amigos, mas acabei sempre por os afastar e não queria que acontecesse o mesmo contigo. - Oh! A sério?! Isso é muito mau. Mas não te preocupes, a mim não me assustaste. - Ainda bem. Nunca quis assustar ninguém e não queria nada que fugisses de mim.

A conversa entre os dois durou até ao deitar do Sol, terminando com a promessa de se renovar no dia seguinte. O crocodilo nesse dia deitou-se com um sorriso confiante. Será que tinha conseguido o seu objetivo? Na manhã seguinte acordou cedo, muito bem-disposto, alegre e cheio de vontade de ir ter com a sua nova amiga. Por isso, assim que acordou, tomou o pequeno-almoço, lavou os dentes e correu o mais depressa que pode para o pântano. No entanto, a sua amiga não estava no local combinado no dia anterior, nem por perto. Hary esperou, esperou, esperou, mas a sua amiga rã nunca chegou a aparecer.

Hary ficou extremamente desanimado e triste, pois pensava que finalmente tinha feito o seu primeiro amigo. Ia desistir de fazer amigos. Não adiantava tentar mais, pois sempre que o fazia acabava ainda mais magoado do que antes.

- De agora em diante não vou procurar fazer amizade com ninguém. Se alguém quiser ser meu amigo, terá de me aceitar tal como sou sem recear. Aceitará o meu corpo longo e escamoso, os meus olhos pequenos e amarelos, os meus dentes enormes e pontiagudos, a minha voz forte e as minhas patas curtas e grossas. Tudo isso é o que me define. A amizade é gostar do outro como ele é e não de como gostaria que fosse. Para além disso, posso ser assustador em termos físicos, mas sei que tenho um coração bom, sou um animal corajoso, amigo do meu amigo, fiel, caridoso e meiguinho, por isso não vou aceitar que me maltratem assim.Estes pensamentos deixaram-no conformado com a sua sorte e assim seguiu com a sua vidinha do costume até que….

No original

Num belo dia de primavera, andava o crocodilo a apreciar as novas flores que surgiam à volta do pântano, quando apareceu de repente uma jovem lince. Lady fez um “psssssstttt” para chamar o crocodilo, mas este ignorou-o totalmente. Não imaginava que esta chamada de atenção fosse para si. A jovem lince tentou novamente, todavia o crocodilo continuava a ignorá-la até que esta resolveu ser mais direta.

- Hei tu! Não me ouves? - Eu?! Estás a falar para mim? - É claro que estou a falar para ti! Vês mais algum animal aqui?! - Não, só que…..(e cabisbaixo acrescentou) nunca nenhum animal quer falar comigo. - Ora, porque é que nunca nenhum animal quer falar contigo? - Porque sempre que eu tentei fazer amizade com algum animal eles assustavam-se e fugiam ou então nunca mais apareciam.

- Eu entendo-te. Isso também me acontece. Sou predadora, sabes, e então sou considerada perigosa. - Eu não te acho perigosa. Tu pareces tão fofinha e amigável. Como é que te chamas? - O meu nome é Lady e o teu? - Queres ser minha amiga? - Sim. - Mesmo sendo um crocodilo feio e assustador?

- Para mim não és feio, nem assustador. Para além disso, aquilo que mais me importa não é o teu aspeto físico, mas sim o teu coração. É a tua amizade, lealdade e simpatia que interessa, pois, o aspeto físico de nada vale se não fores um bom amigo. - Ahhh! Fico bastante feliz por teres um pensamento diferente dos outros animais. E já que perguntas, o meu nome é Hary.

- Que nome tão giro! Olha, já que agora somos amigos, podíamos ir a uma festa do outro lado do pântano logo à noite. Queres ir? - Tu tens a certeza? E depois não vão todos desatar a fugir quando me virem? - Não sejas tonto, isso não vai acontecer. São predadores tal como nós. Vem comigo e vais ver que corre tudo bem.

No original

Encorajado por Lady, Hary lá aceitou ir à festa. Hary foi travando amizade com os vários animais que estavam na festa. Estavam lá todos os predadores da selva, desde cobras, outros jacarés como ele, leões, hienas e leopardos. A festa foi muito animada e durou toda a noite. A partir desse dia Hary estava diferente. Finalmente tinha-se encontrado. Agora tinha um grupo de amigos que o conhecia e o aceitava tal como é. Tinha deixado de ser um triste e solitário jacaré para passar a ser um alegre e divertido crocodilo. FIM

Aplicados no âmbito das sessões de filosofia para crianças

Problematização

Escola Básica da Zona Verde

Aya 3º A

Beatriz Maia

Constança R. 3º D

Brayan Pereira 3ºD

Daniel B. 3º D

Daniel F.

Diana 3º B

Gabriel Romeira 3º D

Hillary 3º B

Dinis R. 3º C

Isaac O. 3º C

Isaac F. 3º C

Isabela 3º B

Laura B. 3º D

Litiene

Manuela 3º B

Marius Cotoman 3º A

Pahola 3º D

Rebeca Veloso 3º D

Escola Básica do Bonito

Afonso Silva 3º E

Alexandra 3º H

Aminaisis 3º E

Arthur 3º G

Carolina Vieira 3º E

Dessila 3º G

Dinis Silva 3º E

Eduina 3º H

Esteser 3º G

Gabriela 3º H

Gustavo Guedes 3º G

Inês Lopes Marques 3º G

Isabella Oliveira 3º G

Jociel 3º H

Kevin 3º F

Lael Morais 3º E

Lara Andrade 3º G

Laurieta Savihemba 3º F

Letícia 3º H

Leonor Serrudo 3º E

Lu Kélvia Basílio 3º E

Mariane 3º G

Matilde Cardoso 3º E

Miguel 3º H

Nayende Cá 3º E

Otcenvli 3º G

Rita Pires 3º E

Escola Básica António Gedeão

Francisco Amado 3º I

Francisco Costa 3º I

João Pereira 3º I

Lucas Liu 3º I

Mia Martins 3º I

Rodrigo Subtil 3º I

Sofia Caleiro 3º I

Agradeço desde já.....

Thank you!

Agradeço em primeiro lugar a todas as crianças que prontamente participaram neste projeto e se empenharam no desenvolvimento das suas atividades respetivas. A todas elas apresento as minhas sinceras desculpas por não ter conseguido colocar todos os seus trabalhos aqui, (os trabalhos apresentados são uma seleção feita de cada escola) e por qualquer lapso na compreensão do seu nome ou turma para identificação dos seus trabalhos. Gostaria igualmente de agradecer à minha turma do 3º ano de Apoio Psicossocial da Escola Secundária do Entroncamento que alinharam nesta pequena aventura comigo e a todos os professores da turma que viabilizaram a sua concretização.Saliento igualmente os meus agradecimentos aos professores titulares do 3º ano do Agrupamento de Escolas da Cidade do Entroncamento: Cláudia Costa, Telmo Bento, Helena Malaca, Emília Pereira, Ana Paula Sirgado, Júlia Almeida, Andreia Alves, Renata Freitas e Sofia Chambell, bem como a minha ponte de ligação com as mesmas, a professora Helena Grácio. Finalmente, e não menos imporrtante, os meus agradecimentos especiais à professora Elsa Barreiras da biblioteca escolar que desde o ínicio nos estimula e incentiva para o desenvolvimento destes e outros projetos e ao meu colega Tiago Marques pela ideia do projeto.