Want to make creations as awesome as this one?

More creations to inspire you

7 CONTINENTS

Horizontal infographics

A2 - ABENTEUER AUTOBAHN

Horizontal infographics

STEVE JOBS

Horizontal infographics

OSCAR WILDE

Horizontal infographics

TEN WAYS TO SAVE WATER

Horizontal infographics

NORMANDY 1944

Horizontal infographics

LIZZO

Horizontal infographics

Transcript

MALETA PEDAGÓGICA

Maleta Pedagógica visa ser um agregador de recursos concetuais e digitais, criados pelos professores bibliotecários dos Agrupamentos de Escolas do concelho de Cantanhede no âmbito do projeto "Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca", em desenvolvimento desde 2015, e tendo também em conta a sua intervenção nos respetivos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital da Escola. O acesso a cada uma das Maletas é efetuado através do Aprendiz de Investigador (aprendizinvestigador.pt), no separador Sala de Aula, no qual estão alocados recursos especificamente dirigidos aos professores. A partir do seu enquadramento pedagógico, pretende-se facilitar o acesso a recursos digitais, muitas vezes dispersos e sem contexto. Cada Maleta está organizada em torno de um conceito central. O conceito é, por sua vez, contrastado com outros conceitos e são sugeridas ações para o professor, quer através da identificação de aprendizagens, estabelecidas a partir do Perfil dos alunos e do DigCompEdu, quer através de linhas de atuação para a planificação e implementação de atividades e envolvimento dos alunos. A seleção dos recursos digitais será ampliada, à medida que novos objetivos de informação forem sendo encontrados online. As Maletas dividem-se em duas categorias. Numa, estabelecem-se conceitos de base, tais como "recursos educativos abertos, "avaliação para as aprendizagens", "aprendizagem colaborativa", entre outros. Na outra categoria, apresentam-se conceitos associados a metodologias, tais como "aprendizagem com base em problemas", "aprendizagem com base em desafios", entre outras metodologias centradas nos alunos.

RUBRICAS DE AVALIAÇÃO

Clique nos elementos interativos para aceder a mais informação

o conceito

diferenças concetuais

o que temos aqui

Projeto literacias: formar os parceiros da biblioteca | aprendizinvestigador.pt

Perfil dos Alunos

DigCompEdu

O professor

A aula

Os alunos

Recursos digitais

O que sou?

Com esta maleta pedagógica clarifica-se o conceito de rubricas de avaliação. Estabelece-se a distinção entre avaliação normativa, avaliação criterial e avaliação ipsativa. Apresentam-se ainda orientações para a implementação de uma avaliação para as aprendizagens e o seu enquadramento no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória e no DigCompEdu. Algumas referências bibliográficas... Cid, M., & Fialho, I. (2011). Critérios de avaliação. Da fundamentação à operacionalização. In I. Fialho & H. Salgueiro (Orgs). TurmaMais e sucesso escolar. Contributos teóricos e práticos, pp. 109-124. Évora: Centro de Investigação em Educação e Psicologia - Universidade de Évora. Acessível em https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/4741/5/criterios_de_avaliacao_da_fundamentacao_a_operacionalizacao_%28pp._109-124%29.pdf Fernandes, D. (2021). Critérios de Avaliação. Texto de apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral de Educação. Acessível em https://apoioescolas.dge.mec.pt/sites/default/files/2021-02/folha_criterios_de_avaliacao.pdf Fernandes, D. (2021). Rubricas de avaliação. Folha de apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral de Educação. Acessível em https://afc.dge.mec.pt/sites/default/files/2021-04/Folha%205_Rubricas%20de%20Avalia%C3%A7%C3%A3o.pdf RBE (2021). Criar rubricas de avaliação: o contributo da biblioteca escolar. https://blogue.rbe.mec.pt/criar-rubricas-de-avaliacao-o-2417082

Este trabalho, da autoria de professores bibliotecários dos Agrupamentos de Escolas de Cantanhede, está licenciado com uma Creative Commons 4.0 e foi realizado no âmbito do projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca e dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital de Escola. O projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca, desenvolvido pelos referidos professores bibliotecários, foi Ideias com Mérito / RBE, em 2015, e serviu de âncora, em 2018/2019, para a implementação dos Ambientes Inovadores em Educação CIM RC / Câmara Municipal de Cantanhede. Concetualização e edição: Isabel Bernardo e Rui Abreu. Composição gráfica: Isabel Bernardo Maleta Pedagógica: rubricas de avaliação by Isabel Bernardo e Rui AbreuVer mais emAprendiz de Investigador

Avaliação pedagógica - rubricas de avaliação Entendendo a avaliação como um juízo de valor, esta deve ser sempre fundamentada e sustentada num referencial criterial. As rubricas de avaliação são dispositivos de operacionalização dos critérios que apresentam um conjunto coerente de orientações para o trabalho dos alunos através de descrições de patamares de qualidade de desempenho em cada um dos critérios apresentados (Fernandes, 2019; Brookhart, 2012). Brookhart (2012) distingue dois tipos de rubricas: analíticas (parte), que descrevem o trabalho em cada critério separadamente, e holísticas (todo), que descrevem o trabalho com aplicação de todos os critérios em simultâneo, permitindo um juízo geral sobre as aprendizagens alcançadas. Em ambos os tipos, são critérios de qualidade a clareza, a relevância, a utilidade, a complementaridade e a usabilidade. As rubricas melhoram os processos de aprendizagem, de ensino, de avaliação e de classificação (Fernandes, 2021). Facilitam a autorregulação de desempenho por parte do aluno, viabilizando a melhoria e o aperfeiçoamento contínuos. Facilitam a regulação das aprendizagens de cada aluno por parte do docente, permitindo-lhe atuar de forma individualizada, eficaz e atempada no processo de ensino e aprendizagem, (re)orientando a sua ação pedagógica e respondendo a necessidades específicas, devidamente identificadas, mediante feedback personalizado de qualidade e em tempo útil. É aconselhável que o processo de construção de rubricas seja partilhado e negociado com os alunos e outros intervenientes para que se assegure a clareza e a transparência da avaliação. Às rubricas pode, ou não, estar afeta uma escala de classificação.

A avaliação por rubricas é criterial e ipsativa, não devendo ser normativa. A avaliação normativa operacionaliza-se quando o desempenho do aluno é comparado com o desempenho da turma, isto é, compara-se a média de ambos. A avaliação criterial operacionaliza-se quando o desempenho do aluno é comparado com um desempenho pré-definido no critério que funciona como norma-padrão de qualidade, sendo exemplo a avaliação externa. O critério pode apresentar-se sob a forma de asserções com sentido completo, como em expressões curtas ou palavras isoladas, apelando a características, formas de estar, áreas do saber, ou outras. Um bom critério tem de ser adequado, claro, observável, independente, completo e graduável em diferentes níveis de desempenho (Fernandes, 2021). A avaliação ipsativa operacionaliza-se quando o desempenho do aluno é comparado com outro desempenho anterior do mesmo aluno, aferindo-se a sua evolução ou regressão.

Quadro europeu de competências digitais (DigCompEdu) Usar tecnologias digitais para avaliação formativa e sumativa (não) classificatória, intencionando um feedback oportuno. Monitorizar os progressos dos alunos com recurso a tecnologias digitais, com vista a adaptar estratégias de ensino e aprendizagem. Fomentar no aluno o pensamento crítico e autorregulador de desempenhos e aprendizagens.

Enquadramento no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória Avaliar desempenhos, produtos, processos e consequências das tomadas de decisão com base em critérios. Autorregular, com crescente autonomia e juízo crítico, as aprendizagens com base em resultados e feedback. Estabelecer metas de desenvolvimento pessoal para futuras aprendizagens.

Implementação da atividade

  • Usar as rubricas de avaliação para introduzir feedback regular (oral, escrito ou icónico), nomeadamente com uso das funcionalidades das ferramentas digitais selecionadas.

Ferramentas digitais para a criação de rubricas CoRubric iRubric Rubistar Rubric Maker Como utilizar o Rubistar IAVE - Para uma ecologia do ato de avaliar SAILS – Strategies for Assessment of Inquiry Learning in Science O projeto europeu SAILS (Strategies for Assessment of Inquiry Learning in Science), financiado pela UE, é um consórcio de 12 países e tem por objetivos: produzir materiais para professores incorporando estratégias de inquiry e de avaliação; trabalhar com os professores de modo a identificar e implementar a avaliação de competências chave; desenvolver programas de formação em IBSE e avaliação, suportando a partilha de experiências e de práticas; desenvolver e sustentar uma comunidade de prática. Ao longo de 4 anos (2012 a 2015) foram desenvolvidos e testados 49 módulos, dos quais se selecionaram 19 que constituem as SAILS UNITS, podendo a mesma unidade ser testada em vários países (dando lugar a case studies). Em Portugal os módulos foram produzidos no âmbito dos programas de formação, estabelecendo-se assim uma rede de professores que trabalharam em estreita ligação aos membros do projeto. Os professores apresentaram o seu trabalho num congresso em Dublin, em 2014 (SMEC). Todo o trabalho desenvolvido, em todos os países do consórcio, constará do website do projeto que se pretende um legado para a posteridade.

Planificação da atividade

  • Identificar as aprendizagens disciplinares e transversais que se pretendem observar.
  • Enunciar os descritores de avaliação em função das aprendizagens esperadas e do estádio de desenvolvimento dos alunos, observado em avaliações anteriores.
  • Criar (ou negociar com os alunos) rubricas de avaliação, aferindo se se pretende que sejam analíticas ou holísticas.
  • Aferir quais as tecnologias digitais que melhor suportam o processo de avaliação e de introdução de feedback em função do tipo de rubricas definido.
  • Associar os descritores de avaliação às atividades que os alunos vão desenvolver, tendo em conta a metodologia (por exemplo, debate, investigação guiada, escrita de texto de diferentes tipologias…) e os produtos a criar.

Atividades dos alunos

  • Negociar as rubricas de avaliação, em caso de ser solicitado.
  • Usar, intencional e explicitamente, as rubricas como instrumentos de autorregulação.
  • Melhorar as aprendizagens em função do feedback fornecido por professor e pares, com base nas rubricas.
  • Desenvolver estratégias de autorregulação a aplicar em situações futuras de aprendizagem, tendo por referência as rubricas.