Want to make creations as awesome as this one?

More creations to inspire you

ONE MINUTE ON THE INTERNET

Horizontal infographics

SITTING BULL

Horizontal infographics

RUGBY WORLD CUP 2019

Horizontal infographics

GRETA THUNBERG

Horizontal infographics

FIRE FIGHTER

Horizontal infographics

VIOLA DAVIS

Horizontal infographics

Transcript

MALETA PEDAGÓGICA

Maleta Pedagógica visa ser um agregador de recursos concetuais e digitais, criados pelos professores bibliotecários dos Agrupamentos de Escolas do concelho de Cantanhede no âmbito do projeto "Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca", em desenvolvimento desde 2013, e tendo também em conta a sua intervenção nos respetivos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital da Escola. O acesso a cada uma das Maletas é efetuado através do Aprendiz de Investigador (aprendizinvestigador.pt), no separador Sala de Aula, no qual estão alocados recursos especificamente dirigidos aos professores. A partir do seu enquadramento pedagógico, pretende-se facilitar o acesso a recursos digitais, muitas vezes dispersos e sem contexto. Cada Maleta está organizada em torno de um conceito central. O conceito é, por sua vez, contrastado com outros conceitos e são sugeridas ações para o professor, quer através da identificação de aprendizagens, estabelecidas a partir do Perfil dos alunos e do DigCompEdu, quer, quando aplicável, através de linhas de atuação para a planificação e implementação de atividades e envolvimento dos alunos. A seleção dos recursos digitais será ampliada, à medida que novos objetivos de informação forem sendo encontrados online. As Maletas dividem-se em duas categorias. Numa, estabelecem-se conceitos de base, tais como "recursos educativos abertos, "avaliação para as aprendizagens", "aprendizagem colaborativa", entre outros. Na outra categoria, apresentam-se conceitos associados a metodologias, tais como "aprendizagem com base em problemas", "aprendizagem com base em desafios", entre outras metodologias centradas nos alunos.

APRENDIZAGEM COM BASE EM QUESTIONAMENTO

Clique nos elementos interativos para aceder a mais informação

o conceito

diferenças concetuais

o que temos aqui

Projeto literacias: formar os parceiros da biblioteca | aprendizinvestigador.pt

Perfil dos Alunos

DigCompEdu

Recursos digitais

O que sou?

O professor

A aula

Os alunos

Com esta Maleta Pedagógica pretende-se clarificar o conceito de aprendizagem com base em questionamento. Estabelece-se diferenciação com o conceito de aprendizagem por investigação guiada. Apresenta-se ainda o seu enquadramento deste conceito no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória e no DigCompEdu. Algumas referências bibliográficas... Healey, M., & Jenkins, A. (2009). Developing undergraduate research and inquiry. York: Higher Education Academy. Healey M., Jenkins, A., & Lea, J. (2014). Developing research-based curricula in college-based higher education. York: Higher Education Academy.

Este trabalho, da autoria de professores bibliotecários dos Agrupamentos de Escolas de Cantanhede, está licenciado com uma Creative Commons 4.0 e foi realizado no âmbito do projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca e dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital de Escola. O projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca, desenvolvido pelos referidos professores bibliotecários, foi Ideias com Mérito / RBE, em 2015, e serviu de âncora, em 2018/2019, para a implementação dos Ambientes Inovadores em Educação CIM RC / Câmara Municipal de Cantanhede. Concetualização e edição: Isabel Bernardo e Rui Abreu. Composição gráfica: Isabel Bernardo Maleta Pedagógica: aprendizagem com base em questionamento by Isabel Bernardo e Rui AbreuVer mais emAprendiz de Investigador

A aprendizagem com base em questionamento é uma designação mais genérica para um conjunto de metodologias de ensino e aprendizagem focadas na produção de conhecimento, a partir da investigação baseada nos princípios empírico-racionais das metodologias de investigação científica. No questionamento, os alunos seguem processos indutivos e dedutivos através de observação, experiências e outros processos de recolha de dados. As teorias da aprendizagem subjacentes são a cognitivista e a construtivista, pelo que o desenho das atividades de ensino e aprendizagem devem ter em consideração: o encaixe das aprendizagens pretendidas em conhecimentos e capacidades anteriores; a compreensão da estrutura geral do tema ou problema em investigação; a colocação do aluno no centro da aprendizagem; a orientação, pelo professor, das etapas e processo de aprendizagem. Análises do impacto da aprendizagem com base em questionamento mostram que esta abordagem metodológica permite o desenvolvimento de capacidades, tais como identificar problemas, formular questões e hipóteses, planificar e executar experiências, recolher e analisar dados, apresentar resultados e inferir conclusões.

O conceito de aprendizagem com base em questionamento (Inquiry Based Learning) distingue-se de outros conceitos aparentados, como a aprendizagem por investigação guiada, por ser um conceito mais amplo que estabelece as bases epistemológicas e pedagógicas de diferentes tipos de metodologia de aprendizagem baseadas em investigação (inquiry). Esta abordagem implica que a aprendizagem seja desenvolvida a partir de atividades de investigação, no sentido de promover a criação e o desenvolvimento de novos conhecimentos. O desenvolvimento da aprendizagem é focado em processos de investigação, como a identificação de um problema, a definição de questões de investigação, o desenho metodológico, a recolha e análise de informação. O tipo de investigação dependerá da área disciplinar e dos objetivos de aprendizagem.

Enquadramento no Quadro europeu de competências digitais (DigCompEdu) Tomar posições fundamentadas, argumentando com recurso a critérios explícitos ou implícitos. Usar evidências para gerar argumentos que sustentam posições. Mobilizar estruturas argumentativas indutivas, dedutivas ou por analogia para pensar sobre informação, ideias e experiências. Aplicar conhecimento científico para fundamentar ideias. Aferir argumentativamente o valor de ideias a partir do impacto da sua aplicação.

Enquadramento no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória Tomar posições fundamentadas, argumentando com recurso a critérios explícitos ou implícitos. Usar evidências para gerar argumentos que sustentam posições. Mobilizar estruturas argumentativas indutivas, dedutivas ou por analogia para pensar sobre informação, ideias e experiências. Aplicar conhecimento científico para fundamentar ideias. Aferir argumentativamente o valor de ideias a partir do impacto da sua aplicação.

Planificação da atividade 1. Aferir o grau de desenvolvimento de competências de questionamento dos alunos. 2. Selecionar a metodologia de questionamento (aprendizagem com base em resolução de problemas, aprendizagem com base em desafios, aprendizagem com base em projetos…) mais adequada ao grau de desenvolvimento dos alunos e objetivos de aprendizagem pretendidos. 3. Elaborar um guião da sequência de aprendizagem, tendo em conta o tipo específico de metodologia escolhido. 4. Identificar os recursos informativos, digitais ou outros necessários à aprendizagem. 5. Adequar os procedimentos da avaliação à metodologia específica selecionada, ao processo, aos produtos esperados, ao grau de desenvolvimento dos alunos e aos objetivos de aprendizagem pretendidos.

Implementação da atividade 1. Acompanhar o trabalho dos alunos, introduzindo continuamente feedback escrito ou oral sobre o trabalho em curso, dando particular ênfase às competências de questionamento que estão em desenvolvimento.

Atividades dos alunos 1. (Re)formular questões, identificar necessidades de informação, definir estratégias de ação para responder às questões formuladas, tomar, fundamentar e avaliar decisões, efetuar inferências, gerar consensos a partir de opiniões diferentes, mediar conflitos, contribuir ativamente para o processo e os produtos 2. Autorregular as aprendizagens em função do feedback do professor e dos pares. 3. Participar ativamente nos processos de monitorização. 4. Auto, hetero e coavaliar, com ou sem dimensão classificatória.